Feeds:
Artigos
Comentários

Vencedor do 2º cicloXavier

Xavier 5ºD

Vencedor do 3º ciclo

Bia Pinho 7º C

Vencedor do secundário

Rita Figueiredo 10º D

Anúncios

2º CICLO

IVAN 5ºD

3º CICLO

LINDA MARIA RIBEIRO 7ºA

PARABÉNS!!!

Este texto foi  concebido por Alexandra Nascimento e Fernando Sebastião, sendo a progamação da responsabilidade de Rui Ferreira, professores na ESTG de Leiria.O FAMOSO DÍGITO DO B.I.O número em causa, designado por dígito de controlo, visa detectar se não existem erros na identificação de cada cidadão. Tomemos como exemplo o seguinte número de B.I.:

Para verificar a veracidade deste Bilhete de Identidade, procede-se da seguinte forma:

Multiplica-se, da direita para a esquerda, o primeiro algarismo por 1, o segundo algarismo por 2, o terceiro algarismo por 3 … … e assim sucessivamente.

De seguida, somam-se todos os valores obtidos nas multiplicações anteriores.
O resultado desta soma terá de ser múltiplo de 11, isto é, da sua divisão por 11 terá de se obter um número inteiro.

Como se pode observar, não há qualquer problema com a identificação deste cidadão nacional, visto que 176 / 11 = 16. Se não se tivesse obtido um número inteiro, o B.I. teria um erro.

Esta técnica de detecção de erros assenta na ideia básica da aritmética modular, proveniente da Teoria de Números, um dos ramos da Matemática. Quando se exige que a soma indicada anteriormente seja divisível por 11 impõe-se que, em termos matemáticos, a soma seja congruente com 0 mod 11, isto é, soma º 0 (mod 11).

Mas porquê exigir que a soma seja divisível por 11 e não, por exemplo, por 10?

A resposta está na teoria de números: estes algoritmos modulares só funcionam se o dígito de controlo for um número primo.

Facilmente se conclui que o dígito de controlo tem de estar entre 0 e 10 para que se possa assegurar resto 0 ao efectuar a divisão por 11. Mas por muito que se procure, não se encontra qualquer B.I. cujo dígito de controlo seja o 10!

Porquê? Porque nos Registos Centrais do Ministério da Justiça decidiram substituir o 10 pelo 0.

Ou seja, quando o dígito de controlo é o 0, este poderá significar 0 ou 10.

Os B.I.’s da figura têm como dígito de controlo o 0 (zero).
Verifique em qual deles figura o zero genuíno. O outro é “falso”!

Na realidade, o Arquivo de Identificação emite B.I.’s cujo número, se controlado pelo seu algoritmo, está errado! Esta situação passa-se com 9% dos B.I.’s portugueses.

O nosso Ministério da Justiça condenou o método de controlo ao fracasso desde a sua implementação. Assim, não acredite na frase que aparece no impresso de renovação do B.I.:
“Este é o algarismo de controlo que permite detectar eventuais erros no seu número de identificação.”


2º CICLO– NÃO HÁ VENCEDORES…

3º CICLOANDREIA    7ºA

SECUNDÁRIOANA RITA 10ºD

PARABÉNS!!!

Continuem a participar. O problema de Janeiro já se encontra disponível da biblioteca.

Portuguesa eleita presidente da maior sociedade científica dos EUA

A matemática portuguesa Irene Fonseca foi eleita presidente da Sociedade de Matemática Aplicada e Industrial, sediada em Filadélfia, sendo a primeira vez que um português preside à instituição fundada em 1952, anunciou o Ministério da Educação.

Portuguesa eleita presidente da maior sociedade científica dos EUA
Irene Fonseca

“Irene Fonseca acabou de ser escolhida para um importante cargo científico norte-americano e internacional. Foi eleita presidente da SIAM – Society for Industrial and Applied Mathematics”, a maior sociedade científica dedicada à Matemática Aplicada, constituída por cerca de 13 mil membros individuais e 500 institucionais de todo o mundo, refere o Ministério da Educação e Ciência (MEC) em comunicado.

O ministro da Educação e Ciência, Nuno Crato, já felicitou a investigadora pela eleição para o cargo, considerando que é “mais um reconhecimento” da sua dedicação à investigação.

“Em meu nome e do Ministério da Educação e Ciência felicito-a pela sua eleição como presidente da SIAM. Este é mais um reconhecimento de uma exemplar dedicação à ciência e à investigação que a conduziu a uma brilhante carreira de nível internacional, que nos honra. Os nossos mais sinceros parabéns”, escreveu Nuno Crato numa mensagem enviada à investigadora.

O Ministério da Educação salienta no comunicado que é a primeira vez que um português preside à instituição e a segunda que uma mulher é designada para o cargo desde a sua fundação, em 1952.

Irene Fonseca é professora do Departamento de Ciências Matemáticas da Universidade de Carnegie Mellon, nos Estados Unidos, onde dirige o Center for Nonlinear Analysis.

Desafio 3

O número fóssil

De um número natural N, multiplicando os seus algarismos obtém-se um novo número. Multiplicando os algarismos deste novo número, obtém-se outro novo número. Podemos repetir este processo até obtermos um número com um só algarismo. É a este número que chamamos fóssil do número N. Por exemplo, o fóssil de 327 é 8, porque 3x2x7 = 42 e 4×2 = 8.

Descobre o maior número de algarismos diferentes cujo fóssil seja um número ímpar.

Vencedor do 2º ciclo- Xavier 5º C

Vencedor do 2º ciclo- Xavier 5º D

Vencedor 3º ciclo_João 7º C

Vencedor 3º ciclo_João 7º C